Grandes Vozes - Brian Asawa - Um contratenor

Loading...

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Grandes Vozes - Brian Asawa - Um contratenor


Ele estudou música em UC Santa Cruz, da UCLA e da Universidade do Sul da Califórnia em Los Angeles. A carreira do cantor foi lançado em 1991, quando ele se tornou o primeiro contratenor a ganhar o Metropolitan Opera National Council Auditions. Depois de dois anos trabalhando com a San Francisco Opera em 1991-92, ele se tornou o primeiro contratenor a ganhar a Plácido Domingo Operalia Opera International Competition (1994) e foi escolhido Seattle Opera Artista do Ano (1996-97).

Na carreira operística de Asawa podemos destacar Orlofsky em Die Fledermaus, em San Francisco e San Diego Opera Opera; Tolomeo em Giulio Cesare no Metropolitan Opera, Bordeaux, Austrália Opera, Royal Opera House, Covent Garden, Ópera de Paris, Gran Teatre del Liceu de Barcelona e Hamburgo State Opera; Arsamene em Serse em Los Angeles, Colónia, em Seattle, e Genebra; Admeto em Admeto em Sydney, Montpellier e Halle; Baba O turco em The Rake's Progress, em São Francisco e para a televisão sueca, Fyodor em Boris Godunov, no Gran Teatre del Liceu, Endimione em La Calisto, em Bruxelas, Oberon, em Sonho de Uma Noite de Verão, em San Francisco, Houston, Orquestra Sinfônica de Londres e Lyon; Ascanio in Ascanio in Alba no Lincoln Center, em Farnace Mitridate, re di Ponto na Ópera Nacional de Lyon e da Ópera de Paris; Nero em L'incoronazione di Poppea em Sydney; Ottone in L'Incoronazione di Poppea na Glimmerglass Opera, em Nova York; Orfeo em Orfeo ed Euridice, La Speranza em L'Orfeo e Umana L'Fragilita / Anfinomo em Il ritorno d'Ulisse in patria na Holanda Opera; Saul e Davi, em Belize em Angels na Ópera da Baviera, e Sesto em Giulio Cesare no COC, em Toronto.

A discografia de Brian Asawa inclui quatro discos solo considerando que variam de Dowland e Edmund Campion de Rachmaninoff e Rorem Ned. As gravações de óperas incluem Farnace em Mitridate para a Decca, Arsamene em Serse para coníferas e Oberon, em Sonho de Uma Noite de Verão para a Philips com a Orquestra Sinfônica de Londres com Sir Colin Davis.

Asawa é o sobrinho da escultora Ruth Asawa.

Uma entrevista com Brian Asawa
(Trecho retirado de uma entrevista para o site Operanet em 19/04/99)

Brian Asawa nasceu na Califórnia em 1966, cresceu em Los Angeles e começou como um grande pianista na Universidade da Califórnia em Santa Cruz. Ele, então, foi transferido para Los Angeles, quando descobriu a sua voz contratenor.

Brian Asawa: Eu cantava em coros como um tenor, e então descobri este falsete imitando sopranos ou a linha de soprano na música coral que eu cantava na época, e percebi que era um som forte. Eu falei sobre essa idéia de cantar em falsete com a minha professora, não sabendo nada sobre música antiga, muito menos sobre ópera barroca, ornamentação, repertório, ou qualquer coisa sobre o que o contratenor era. Minha professora na época me informou sobre o período, o gênero, e começamos a trabalhar nesta voz de contratenor. Em seguida, me transferi para a UCLA para voltar para Los Angeles, uma cidade onde existe mais música.

L: Quem foram os seus professores originalmente?

BA: Eu tive um professor, em Santa Cruz, Harlan Hokin, que era um tenor lírico e cantou muito o Messias e música barroca, e foi envolvido com a cena vocal do norte da Califórnia. Ele foi o único que me disse que eu era um contratenor, dizendo: "Vamos testá-lo". Ele estava animado. Estranhamente, trabalhamos em um pedaço de Schumann, um mélodie Debussy e uma cantata Buxtehude, assim pelo menos uma peça de música era apropriada para a minha voz. Depois eu tive um professor particular de voz, Virginia Fox, que na minha formação inicial foi provavelmente o mais influente em termos de desenvolvimento vocal. Ela não é bem conhecida, mas ela é a única que desenvolveu o poder e a força da minha voz, e então eu tomei essa voz e fui para San Francisco para o programa Merola na San Francisco Opera. Então eles me convidaram
como um dos jovens artistas em residência, e foi então que eu comecei com aulas de coloratura com Jane Randolph. Ela é provavelmente a pessoa mais responsável pela forma como a minha voz soa hoje e para minhas habilidades técnicas agora. Ela me ajudou com essa voz que eu não conseguia fazer muito com ela e deu a capacidade de expressar ...

L: O que você quer dizer que você não conseguia fazer muito com ela, expressivamente ou tecnicamente?

BA: Tecnicamente. Porque a técnica que foi dada por Virgínia era muito apertada, onde o som é impressionante, mas não havia flexibilidade, não podia fazer nada com minha voz porque era muito apertada. Quando eu fui para San Francisco, achei Jane Randolph, que tinha acabado de se mudar de San Diego. Começamos a trabalhar, e ela me deu a capacidade de fazer com a música o que eu sempre quis, para expressar e transmitir emoções sem me sentir preso por uma técnica
muito tensa.

L: Tenho notado que você é parte de uma nova escola de contratenores onde a voz é mais integrada, o que não era muito comum anteriormente.

BA: É um processo longo para ficar em cima de sua técnica e seus compromissos. Toda vez que faço um novo papel, existem diversas dificuldades e obstáculos a ultrapassar. Em Mitridate, o papel de Farnace encontra-se em uma gama muito confortáveil, mas de vez em quando Mozart coloca nestas notas altas que, para mim, não me sinto confortável, cantando o tempo todo na faixa intermediária e de repente disparar para cima e voltar para baixo. O intervalo é definitivamente um grande desafio. Christophe Rousset também escreve para fora toda a ornamentação de cada cantor. Ele subdivide notas 16 em 32 em alguns lugares. Não é assim tão mau, porque é uma ária lenta, mas parece que ele está tentando "Rossinearsse".

L: Você prefere fazer sua ornamentação própria?

BA: Sim, ou pelo menos trabalhar em conjunto. Essa é a minha maneira favorita de trabalho.

L: Quantos novos papéis que você criou no decurso de um ano?

BA: Depende de que anos. Este ano, eu estou fazendo Anfinomo e Umana Fragilita (Ritorno d'Ulisse in Patria), meu primeira Nero (Incoronazione di Poppea), o papel-título de Admeto (Handel) e Farnace e, em seguida Polinesso em Ariodante em Dallas - finalmente começarei a cantar no meu próprio país, é tão emocionante.

L: Isso não é sua primeira experiência no E.U.A.?

BA: Não. Eu era um dos poucos cantores jovens capazes de iniciar nos Estados Unidos e ficar lá por um tempo. Então, de repente, todos os compromissos europeus começaram a chegar e os compromissos americana cairam um pouco. Eu acho que é devido em grande parte do repertório de canto. Se uma companhia de ópera nos EUA gosta muito de mim, eu tenho que esperar, ou têm que esperar, até que algo no repertório venha.

L: Qual repertório que você faz fora do barroco? Você está adicionando uma ópera de Mozart, e eu sei que você cantou Baba o turco em Rake's Progress.

L: E Prince Orlofsky. Eu fiz um papel em uma ópera de Henze, que foi de fato minha estréia profissional com uma companhia de ópera em 1991, em San Francisco, e Oberon, em Sonho de uma Noite de Verão de Britten e a voz de Apolo em sua morte, em Veneza, que não é um grande papel. Estou muito interessado em óperas modernas, e espero mais oportunidades surgirem.

L: Algum contratenores teve uma influência significativa sobre você?

BA: Ouvi a todos muito bem. Em termos de beleza real do timbre, eu realmente gostei de ouvir Jochen Kowalski.

L: E Alfred Deller?

BA: Eu amo a sua arte, mas é muito mais leve, outra maneira de cantar ...

L: ... uma abordagem diferente ...Você sente quaisquer restrições quanto a escolha dos materiais ou você sente que pode cantar qualquer coisa que você quer?

BA: Eu tento escolher uma variedade de repertório. Eu faço um par de conjuntos de música antiga e, em seguida, avanço para algo clássico e, em seguida, um ciclo de música contemporânea. Eu definitivamente experimento e escolho músicas específicas que complementam a minha voz, seja qual for o período ou o compositor. Eu nunca iria cantar "Erlkönig", por exemplo, porque eu não tenho uma voz dramática. Acho que contratenores ainda mais leves podem encontrar Schubert ou canções de Mozart que são apropriados para eles. É perigoso fazer um monte de alto repertório. Quando um contratenor vai e volta entre as partes baixa e alta, pode ser bem perigoso.

L: A sua técnica é de auto-didata em termos de lidar com o registro no peito, integrando-se com o resto da voz?

BA: Não, eu tenho treinado para tentar misturá-lo tanto quanto possível, mas era tudo parte do treinamento que foi dado por meus professores. Trataram o meu peito como uma ruptura ou quebra da voz de mezzo soprano, exceto que uma quebra de contratenor entre peito e voz de cabeça é muito mais proeminente do que um soprano. Mezzos tendem a trazer a voz no peito muito maior, antes de começar a misturar os registos na voz de cabeça. Para contratenores, acho que a chave é manter a voz de cabeça o mais baixo possível e, em seguida alterar na parte inferior do intervalo. Eu acho que é perigoso para trazer a voz de peito mais e mais.

Voz de Contratenor

Contratenor é um cantor masculino adulto que canta numa tessitura correspondente à do contralto ou atémesmo a do soprano, adaptandoa técnica do falsete. Apesar das propriedades vocais variarem entre contratenores, é comum a todos eles o timbre perceptivelmente da voz femenina, para um ouvido atento.

A voz do contratenor teve um ressurgimento massivo em popularidade na segunda metade do séc. XX, parcialmente devido a pioneiros como Alfred Deller e pelo aumento de popularidade da ópera Barroca. Apesar de serem considerados um fenômeno da música renascentista e barroca, alguns contratenores modernos exploram um repertório bem extenso. O termo contratenos deve ser usado exclusivamente no contexto do canto lírico.

A grande maioria dos contratenores utiliza a técnica do falsete para chegar ao registro agudo, pelo que, em vozes masculinas destreinadas, o timbre tende a soar harmonicamente débil. No entanto, trabalhada com a técnica adequada, a voz de contratenos pode alcançar grande ressonância e volume.

Muitos contratenores passam do falsete para a voz de peito em notas graves com grande suavidade. Com efeito, a passagem suave entre os registros vocais é dos controles mais difíceis de se conseguir para o contratenor novato.

Poucos contratenores tem um registro comparável a de um soprano. Nesse caso são chamados sopranistas, cantando frequentemente as árias escritas para os castratos. Apesar dos resultados variarem significativamente entre cantores, um contratenor soa bem diferente de uma mulher cantando no mesmo registro.


Acesse: http://www.unibrasil.com.br e clique no link da nossa Rádio WEB UniBrasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário